Blog da Forlan DF

Seguro ou proteção veicular? Veja o que vale mais a pena!

A proteção veicular está se tornando cada vez mais necessária. Imprevistos acontecem, e ninguém está isento de uma colisão e de outros tipos de acidentes. Além disso, o número alarmante de furtos e roubos também desperta a preocupação de muitos proprietários.

Quando chega a hora de contratar um plano de proteção, logo surgem as dúvidas. É preciso escolher o melhor tipo de serviço e a cobertura ideal sem abrir mão do custo-benefício. Atualmente, existem duas maneiras de proteger um automóvel: contratar um seguro ou buscar a proteção veicular.

Seguro e proteção não são a mesma coisa, e você precisa saber quais são as diferenças para acertar na escolha. Confira no que eles são diferentes, as vantagens e desvantagens de cada um e descubra o que vale mais a pena!

Principais diferenças entre seguro e proteção

Os seguros são oferecidos por empresas credenciadas à Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) e, por isso, estão submetidos às normas dessa instituição. Ou seja, há um órgão regulador e, após a assinatura do contrato, a empresa se torna responsável pelos sinistros previstos no plano contratado.

A proteção veicular é disponibilizada por associações sem fins lucrativos. Nessa modalidade, um grupo de pessoas se une para dividir os custos e garantir a assistência dos associados. Portanto, o principal objetivo é arrecadar fundos para o pagamento dos custos administrativos e das demais despesas relacionadas ao serviço de proteção. Essa não é a única diferença.

A proteção e o seguro também se distinguem em outros aspectos. Veja, a seguir.

Adesão

Nas duas modalidades, há vistoria do veículo. Entretanto, no seguro, existe a análise de riscos (cálculo do valor total a ser pago pelo segurado). Na proteção, é preciso pagar uma taxa para garantir a adesão, e o preço das mensalidades pode variar segundo o prejuízo ou acúmulo financeiro da associação.

Cancelamento

O cancelamento na proteção só pode ser feito decorridos 180 dias da assinatura da adesão. Caso contrário, existe a cobrança de multa. Já o seguro pode ser suspenso a qualquer tempo, desde que quitados os valores relativos ao período em que o carro foi protegido.

Apólice

A proteção veicular não conta com uma apólice. Ela é realizada apenas por um contrato entre associação e associados, e isso quer dizer que não há um descritivo dos serviços, mas um acordo de divisão dos prejuízos. Já no seguro, a apólice é indispensável e se firma como garantia de honra aos compromissos.

Cobertura

A cobertura oferecidas pelas duas opções é semelhante (furtos, roubos, colisões, etc). A diferença é que, no seguro, é possível contratar coberturas adicionais. Na proteção, isso não é comum.

Valor

Dificilmente o preço do seguro será inferior ao da proteção. Após o cálculo do valor do seguro, as parcelas são fixas e consideram o tipo de carro e o perfil do condutor. Na proteção, os custos podem variar sem aviso prévio e dependem da saúde financeira da associação.

Risco

O risco ao veículo é um dos grandes diferenciais. Ao contratar um seguro, todo o risco é de responsabilidade da seguradora, e a indenização é paga em até 30 dias (segundo a lei). No caso da proteção veicular, a indenização é subordinada ao fluxo de caixa, e os riscos são de responsabilidade do contratante e demais associados.

Vantagens e desvantagens de cada tipo

Para decidir o que vale mais a pena, é indispensável ficar atento às diferenças entre seguro e proteção veicular. O seguro oferece mais garantias, já que existe uma regulamentação específica, e a apólice pode ser utilizada a favor do segurado nos casos de litígio. Como a indenização dos sinistros não é condicionada ao fluxo de caixa, dificilmente o segurado ficará no prejuízo.

As coberturas adicionais são outras vantagens do seguro. Por outro lado, as associações oferecem valores reduzidos. Geralmente, elas não têm restrições quanto ao perfil do condutor, marca e modelo do veículo. Por isso, o valor não é calculado a partir de análise prévia.

Escolher o que vale a pena significa pesar os prós e contras, analisar todas as diferenças e verificar qual a disponibilidade financeira para o investimento.

Agora que você já sabe mais sobre a proteção veicular, o que acha de compartilhar este artigo nas suas redes sociais e ajudar outras pessoas?